Ressurgir

Após anos refletindo, percebi que nem mesmo uma pedrinha que entra no meu sapato e me machuca é atoa, e que, com ela, posso aprender e fortalecer a minha alma. Tenho certeza que vou “correr no parque” ainda, mas não mudaria em nada o que essa vida de batalhas me ensinou.

NADA NA VIDA É POR ACASO

Aceite-se, aceite a sua história e tudo o que viveu até aqui, pois o que você passou te fez ser quem é agora. – L. Mahat

Sempre procurei colocar na minha cabeça que tudo o que aconteceu comigo até aqui faz parte de um grande aprendizado. Alguns ocorridos eu confesso que é de difícil compreensão, mas um dia, tenho convicção de que as respostas virão à tona, e serei enaltecido pelo nosso “arquiteto maior” por jamais ter desistido da vida e de ser feliz. Se tivesse algum “poder divino”, vamos dizer assim, não mudaria em nada o que já ocorreu comigo e que não foi da minha escolha. Simplesmente porque eu cresci demais com as adversidades que a vida me deu, e hoje eu sou muito grato por ter recebido tais lições. Acredito que esse seja o real significado da palavra gratidão, e não simplesmente agradecer pelas oportunidades recebidas.

Quanto mais difícil for a sua história de superação, maior deve ser o sorriso no seu rosto.

Ultimamente, tenho pensado bastante sobre a relação entre esse meu problema e a cadeia de eventos que isso gerou. Já cheguei a seguinte conclusão: grande parte da “rede de pessoas” que conheci e que agora são imprescindíveis para mim certamente não seria a mesma. Ora, nem sei se estaria aqui vivo e escrevendo esse texto e procurando te inspirar. Para finalizar, uma pergunta para você refletir também: sem as suas adversidades, seus vínculos seriam mais enfraquecidos ou fortalecidos por quem realmente gosta de você e te quer bem?

Minha mãe, por exemplo, descobriu a paixão dela, que é o voluntariado na AACD, muito por causa de mim e do que ocorreu comigo (clique aqui e veja a minha história). Lógico que no começo tudo fica nublado, sentimos raiva e até vontade de “xingar os Deuses”. Mas eu parei pra refletir sobre isso que aconteceu com ela e muitas outras coisas que ocorreram na minha vida desde a aparição desse “problema”: as amizades que adquiri, lugares que frequentei, aproximação com a minha parte religiosa, unificação da minha família, coisas que fazem um bem danado para a minha alma que me falam onde quer que eu vá, e, principalmente, quem é de verdade e quem é de mentira. Pensei bem, vi quantas vidas já consegui mudar e coloquei a seguinte afirmativa na minha cabeça: era para ser assim, e agora me resta batalhar para melhorar e poder correr no parque de novo.



COMPARTILHAR:

Não tem Facebook ou prefere o anonimato?