A Doença Vista Com Outros Olhos

Depoimento para dar esperança a quem sofre com algum problema parecido com o meu e perdeu a vontade de viver.

A Ataxia de Friedreich (AF), com a qual sou diagnosticado à cerca de dez anos, é uma doença genética, neuromuscular e degenerativa. Não tem cura médica disponível. Se você é um portador, parente ou amigo próximo com certeza já passou pelo que eu e meus entes queridos passaram. Pesquisou sobre a enfermidade na Internet. Com certeza ficou estarrecido, mergulhou em lágrimas ou até se aborreceu com Deus. Lendo pela Internet, parece um caos total, como todas as outras doenças neuromusculares. Esse foi um dos maiores erros da minha vida: procurar e me basear nos efeitos da doença via web! Eu quase entrei em depressão, porque pelo que li era questão de tempo para eu apodrecer numa cadeira de rodas, todo torto e morrer devido a algum ataque cardíaco.

Mas, o segredo é viver a vida, sempre com um sorriso no rosto. Até me esqueço de que às vezes que tenho ataxia e hoje nem a encaro mais como um “bicho de sete cabeças”. Graças a Deus é uma doença genética de caráter recessivo, sendo improvável eu passar pros meus filhos e netos. É o que meu psicanalista, professor e grande amigo, Dr. Viktor D. Salis, diz para mim:

“não existem doenças, e sim doentes!”

Cada um é cada um, não se pode generalizar. Por exemplo, no meu caso, grande parte dos sintomas pesquisados na Internet não se manifestaram, nem vão se manifestar!

Tenho atualmente 23 anos e já sofri muito é verdade, mas procuro sempre crescer como ser humano cada dia que passa através dessa experiência (veja o resumo da minha história de vida postado aqui anteriormente). Quando aceitei pra valer as minhas limitações, e comecei a acreditar e a ter fé em mim, alcancei avanços significativos, conseguindo até estacionar a doença e melhorar dos sintomas! Idas a centros espíritas e principalmente ao grande João de Deus, em Abadiânia-GO, na Casa de Dom Inácio de Loyola, foram de uma valia imprescindível nessa questão da aceitação e de abrir portas.

Batalhei muito para chegar onde estou hoje, e continuarei ralando em busca de melhoras. Tenho convicção de que irei me curar em breve. A cura está no interior de cada um! É essencial jamais se manter estagnado na sua zona de conforto e nunca ficar parado. Tá aí uma coisa que ninguém poderá fazer por você, por menor que seja a ação: a sua parte! Meu médico e herói, Dr. Beny Schmidt, sempre deixa uma mensagem ao público no final de todas as suas palestras, discursos, aulas e seminários:

“O princípio da vida é o movimento!”

Como descrito na página “QUEM SOU EU“, hoje em dia tenho uma qualidade de vida maravilhosa, com certas limitações é verdade, como o andar, mas aproveitando a vida com meus irmãos e amigos incessantemente. Sempre saio para festas, baladas, viagens incríveis, e essa é a dica que dou para você que está para baixo: busque curtir a vida de alguma maneira, sempre confiando em Deus e tentando no máximo de tempo possível ficar com um sorriso no rosto! Você ganhará diversos admiradores por onde quer que passe, será intitulado de “iluminado” e terá o mais importante: prazer de viver!

A vida não termina com a doença, não importa qual seja. Um novo caminho é o que se inicia. Uma nova jornada. A vida é espetacular e a própria morte está muito longe do conceito que guardamos dela até hoje.


Compartilhar:

2 comentários sobre “A Doença Vista Com Outros Olhos

  1. Parabéns André por sua força, coragem e determinação! Você é um grande exemplo de amor, esperança e persistência pela vida! Que sua luz brilhe cada dia mais!! E Deus te abençoe infinitamente!
    Michele (do insta templo da sabedoria)

Não tem Facebook ou prefere o anonimato?