Faces da Minha Vida: Capítulo VI

– CAPÍTULO VI –

Capítulo Anterior: O Grande Dia

O procedimento

Bom, para dar uma prévia desse capítulo terminei o anterior citando a morfina, então já sabem o que está por vir…

Contarei nesse episódio, por assim dizer, as sensações que tive no pós operatório até a remoção dos “pontos” da cirugia (você entenderá o porquê das aspas)…

dor, dor e dor

Já era de noite quando acordei no quarto do hospital Abreu Sodré, um conjunto da AACD em São Paulo. O espaço era bom, confortável, enfeitado com uma cor clarinha que trazia paz, tudo bem simples. Passado quase todo o efeito do sedativo comecei a sentir muitas (MUITAS mesmo) dores. Duas enfermeiras, quando viram que eu havia acordado, foram me explicar sobre os procedimentos futuros: horários das fisioterapias, das refeições, visita do médico para sanar todas as dúvidas… enfim, tudo que ocorreria nos próximos cinco dias internado lá. Achava que o pior tinha passado… 

Agora pense na pior dor que já sentiu. Pensou?

…e mais dor

Me recordo muito bem (e acredite, não queria rs) da dor insuportável, horripilante e mais todos os adjetivos ruins existentes que foi levantar pela primeira vez da cama do hospital após a cirugia. Olha, não sou de reclamar, quem me conece sabe muito bem disso, mas dessa vez foi surreal. Nunca tinha sentido nada parecido até então.

Só perdeu para a retirada dos gramp… Ops, isso é mais pra frente…

Nos dias que seguiram lembro que criei amizade mais forte com um dos enfermeiros que estavam cuidando de mim. Eu era um menino (de 15 anos na época) de sorriso fácil e bem amistoso, logo era bem sociável – e ainda sou. Tinha acabado de ganhar um Playstation 3 dos meus pais, que na época era super moderno, e agente ficava sempre que dava jogando partidas de futebol virtual, mais precisamente de FIFA.

As fisioterapias eram duas: a respiratória (para garantir a funcionalidade total dos pulmões após a cirurgia) e a motora.

notícia boa

Recebi, no segundo dia, a visita do médico que me operou (aquele que era o meu vizinho na época), com um raio-x debaixo do braço e todo sorridente. O seu sorriso me contagiou, e dei outro de volta. Senti que a notícia seria boa, e realmente foi: a cirurgia tinha sido um sucesso!

Foram inseridas duas placas de titanium e mais 36 pinos grandes do mesmo material entre as vértebras! Uma operação pra lá de extensa… (foto no final)

Lembro como se fosse ontem dele me mostrando o raio-x e eu dando-0 um aperto de mãos, dizendo obrigado e o médico todo emocionado…

OBRIGADO PAI

Passaram-se os cinco dias, algumas fisioterapias básicas e eu finalmente fui pra casa. Que sensação maravilhosa poder voltar ao querido lar, mesmo cheio de dor e quase sem se mexer! É nessas horas que você enxerga que tem que ser grato a Deus pelas pequenas coisas da vida! Só por ter ar nos pulmões, por enxergar todas as cores desse céu lindo, por ter um teto pra morar, comida na mesa e uma família incrível, já vejo o quão sou abençoado!

E passar por isso me ajudou a afirmar esses pensamentos de gratidão na minha cabeça…   Por isso que eu sempre falo: as adversidades ensinam e muito. Basta a gente tentar compreender isso. A real é que a vida é bem simples. A gente que complica demais!

enfim, A DOR “PRINCIPAL”

Após cerca de 10 dias em casa, sempre deitado e todo dolorido, voltei ao hospital. Esse foi certamente um dos piores dias da minha vida. A cirurgia foi extensa, o corte pegava minha coluna inteira e pontos convencionais não seguriam o fechamento. Foram usados então grampos. Para retirá-los, o funcionário do hospital utilizou uma espécie de desgrampeador, iguais aqueles usados em escritório, sabe?

Nossa, que dor agonizante! Foram inúmeros grampos, e toda vez o próximo doia mais que o anterior! Foi insuportável. Meus pais me acompanharam e choraram junto. Ao voltar pra casa implorei pra Deus em minhas orações para nunca mais quero passar por nada parecido. Sofri demais. Foi um dia daqueles para esquecer.

No próximo capítulo contarei a história do cachorrinho (um micro-maltês lindo) que meus pais me deram para amenizar a minha dor e o que aconteceu com ele em pouquíssimo tempo. Momento trágico e muito difícil!

Continua…

Próximo capítulo: “Spike”


Carregando...;
Compartilhar

2 comentários sobre “Faces da Minha Vida: Capítulo VI

  1. André………cadê o proximo capítulo? Mal posso esperar; Apesar de ter acompanhado o processo, ler vc contando dá uma aflição, expectativa…….por favor, se apresse. Ou manda um espoiler pra madrinha….Beijos amor.

  2. Ebaaaaa!!! Ja estava ansiosa por este capítulo…

    Me senti agoniada só de imaginar suas dores e os grampos sendo retirados…
    Espero que o próximo capítulo seja menos dolorido…

    Forte abraço! E até mais…

    Deus continue te abençoando seu lindo 😘❤

Não tem Facebook ou prefere o anonimato?