A Inclusão Começa Com Você!

ANTES DE TUDO, ACEITE A SI MESMO

Já li vários textos, reportagens e artigos de gente discursando sobre a inclusão social, que as pessoas que não tem deficiência nenhuma devem e estão se importando mais com o outro que tem alguma limitação ou até que os humanos estão cada vez mais evoluídos devido a essa conexão com o próximo que precisa de algum apoio.

CADÊ A NOSSA PARTE?

Falta muita coisa é verdade, mais evidentes na estrutura de países menos desenvolvidos – leia-se Brasil – como ruas planas, calçadas, lugares acessíveis, entre outras coisas… Mas de fato, essa abordagem de que o mundo está cada vez mais integrado nesse sentido é real, apesar de ainda existirem uns “espíritos de porco” por aí (e cá entre nós, não são poucos). Porém nunca vi nenhuma matéria destacando o “inverso da coisa”, por assim dizer. E alguns de nós deficientes, sabemos aceitar a si mesmos?

Do que adianta o mundo te colocar na sociedade novamente se você mesmo se coloca como um derrotado?

DESISTIR? NUNCA! 

Na clínica de reabilitação em que frequento, vejo muitas pessoas optarem por não fazer uma determinada ação, pelo simples fato de saber que tem alguém que faça aquilo por ela, mesmo tendo o potencial para executar tal movimento. Ou pior, desistem de algo tão precioso e divino como a vida, o que me entristece muito. Pensam mais ou menos assim: “sou deficiente mesmo, cuide de mim...”.

pena?

Se você que está lendo isso e é um parente ou algo do gênero que passa por uma situação semelhante à citada acima, devendo cuidar de determinada pessoa com alguma limitação e ela não faz o mínimo esforço para te ajudar – quando pode, é claro – é importante ter uma conversa franca com o sujeito em questão. Sempre com a devida paciência, deixe claro que ninguém é melhor ou pior do que ninguém. Procure não ter pena do outro devido as suas dificuldades, por mais graves que elas sejam. Isso é essencial. Dê o suporte necessário, claro, mas jamais faça nada apenas por dó ou outro sentimento parecido. Tenha sempre em mente:

O nosso corpo físico é apenas passageiro, o que importa mesmo é a pureza da alma.

ERA PARA SER ASSIM…                        

Minha mãe, por exemplo, descobriu a paixão dela, que é o voluntariado na AACD, muito por causa de mim e do que ocorreu comigo (clique aqui e veja a minha história). Lógico que no começo tudo fica nublado, sentimos raiva e até vontade de “xingar os Deuses”. Mas eu parei pra refletir sobre isso que aconteceu com ela e muitas outras coisas que ocorreram na minha vida desde a aparição desse “problema”: as amizades que adquiri, lugares que frequentei, aproximação com a minha parte religiosa, unificação da minha família, coisas que fazem um bem danado para a minha alma que me falam onde quer que eu vá, e, principalmente, quem é de verdade e quem é de mentira. Pensei bem, vi quantas vidas já consegui mudar e coloquei a seguinte afirmativa na minha cabeça: era para ser assim, e agora me resta batalhar para melhorar e poder correr no parque de novo.

Esse texto é pra você acordar!

Contudo, se você for alguém com limitações que se encaixa nas características que foram citadas no começo do texto, pense nisso como uma crítica construtiva. Não se coloque estando abaixo de ninguém. Eu, por exemplo, com as minhas crenças convictas, te acho muito mais forte do que você pensa que é, e acho que todos deveriam partir desde mesmo princípio.

aceite-se logo…

Mas para que isso ocorra, você tem que se aceitar. Já escrevi uma publicação aqui no blog comentando sobre as 5 fases de Elizabeth Kluber, e que ninguém consegue resultados convincentes e duradouros a menos que saiba aceitar verdadeiramente a situação em que se encontra, independente de qual seja o revés. Fazer algo com sentimento de negação ou raiva por estar em determinada posição pode até trazer frutos imediatos, mas eles se vão em meio a qualquer nova crise que surja. Nesse caso, aprenda a se aceitar primeiro, para depois buscar a inclusão na sociedade. De que adianta o mundo estar mais acessível se você mesmo se põe pra baixo?

Por mais simples que for ação, mostre que você é capaz. Faça acontecer!

E se você estiver em uma situação mais complicada ou temerária, apenas um gesto de carinho ou até um esboço de sorriso pra alguém que te ajuda, já pode fazer toda a diferença. Pense nisso!

Inteligência é a capacidade de se adaptar às mudanças. – Stephen Hawking

Siga @vidafaces no Instagram

 


COMPARTILHAR:

Não tem Facebook ou prefere o anonimato?